segunda-feira, 7 de outubro de 2013

O ENCONTRO DAS TRÊS ÁGUAS



O ENCONTRO DAS TRÊS ÁGUAS


Dedicado a Júlia Pinheiro, Ilan Vale e Isabel Falcão


“Amores são águas doces
Paixões são águas salgadas
Queria que a vida fosse
Essas águas misturadas”
Roberto Mendes e Jorge Portugal


Fala-se tanto das manifestações do Rio que me surpreende ninguém ainda ter falado do Arturo, do Bruno e do Caio. Falo eu, então. Até por que os três são cariocas como eu, tem vinte e dois que nem eu e eu acabei de inventá-los.
Talvez seja uma parábola. Não sei. Arturo, Bruno e Caio vinham de três partes diferentes do Rio, e estudaram em três escolas e faculdades diferentes. Não se conheciam, os três, quando saíram de suas casas no dia 20 de junho para tomar a Presidente Vargas e se possivel o poder, por conta de vinte centavos que não eram vinte centavos, mas eram, etc., etc., etc.(vocês lembram como isso foi confuso). Arturo, o primeiro, era o que já então começava-se a chamar de Black Bloc. A sua calça de couro grossa até protegeria bem das balas de borracha, mas a proteção falhava, uma vez que a peça era rasgada na altura da coxa, à maneira dos punks. Na cabeça, o capuz do casaco e, na mochila, uma máscara de gás e uma garrafinha de água mineral que na verdade continha a famigerada mistura de ácidos e gasolina necessária para fazer um Coquetel Molotov. Arturo tinha raiva do governo.
Bruno, o segundo, era um “harumaki”. Harumakis são os manifestantes que andam enroladinhos em bandeiras do brasil, à maneira do quitute tão apreciado na culinária japonesa. Bruno enrolava-se todo na sua enorme flâmula auriverde, mas deixava pra fora o cartaz no qual escrevera “ABAIXO OS PETRALHAS”, bem visivel. Na cabeça, uma cartola verde e amarela que ele comprara na última copa do mundo. Na mochila, tintas (advinhem as cores) para o rosto e uma garrafinha de água mineral que na verdade continha vinagre. O vinagre, como todos sabem, ameniza os efeitos do gás lacrimogêneo. Bruno tinha raiva do governo.
Caio, o terceiro, era o que um jornalista vulgar talvez chamasse de um elo perdido de Woodstock. Como Bruno, Caio também pintara o rosto, mas de diversas cores e purpurinas. Ele não pretendia apenas protestar na passeata, mas mais do que isso ele queria realizar uma performance de contato corporal e troca energética com os passantes. Talvez fazer um documentário sobre isso. Na cabeça, nada além de seus louros dreadloques. Na mochila, uma câmera e uma garrafinha de água mineral na verdade contendo MDMA, a famosa anfetamina conhecida como “emedê” e mais conhecida ainda como a “droga do amor”. Mas não se iludam, Caio também tinha raiva do governo.

Encontraram-se no jardim da prefeitura, quando a primeira bomba estourou e começou a correria. Como tudo nessas horas, o encontro entre os três foi fugaz e violento: Esbarraram-se, na verdade, e foram os três ao chão. As mochilas caíram, as garrafinhas de água mineral saíram rolando e atabalhoadamente eles cataram tudo e se puseram de pé. Na confusão, mal puderam pedir-se desculpas, quanto mais dialogar e chegar à tão sonhada via intermediária que conciliaria todos os interesses da nação. Ainda por cima quis o destino, que é um fanfarrão, que as garrafinhas que eles carregavam fossem trocadas. E deu-se o que se deu:

Caio ficou com a garrafinha de Bruno. Ele planejava compartilhar o emedê com seus amigos, mas tudo o que acabou compartilhando foi vinagre. Logo, quando a chuva de bombas lacrimogêneas ficou insuportável, os amigos de Caio ficaram impressionados com os poderes paliativos do suposto emedê sobre o gás. Mais veloz do que a fumaça, se espalhou por muitas pessoas da passeata o boato dos poderes curativos da droga do “loirinho de dread”, e por alguns minutos Caio foi muitíssimo popular: todos queriam o “emedê-anti-gás”. O mais interessante foi o efeito placebo que teve o vinagre sobre as pessoas que supunham estar tomando a droga. As histórias de beijos e amassos entre manifestantes decorridas desse “emedê” ainda hoje circulam no Rio de Janeiro.
Bruno, por sua vez, ficou com o fluido de Molotov de Arturo. Esvoaçando sua bandeira, o Harumaki rapidamente se afastou da confusão (“não gosto de vandalismo”, dizia ele), não precisou acessar o seu suposto vinagre e portanto felizmente não inalou a perigosa mistura. Contudo, isso não o eximiu de problemas: Quando ele já estava indo pra casa, subindo a Avenida Rio Branco, um PM o parou para a revista. Ele, orgulhoso em “cooperar com o bom trabalho da polícia”, abriu sua mochila, com o que o meganha imediatamente identificou o potencial artefato terrorista. Bruno acabou engrossando a lista dos muitos jovens detidos naquela noite e, até que seu advogado pudesse resolver tudo na manhã seguinte, ele foi severa e criativamente interrogado pelos canelas-pretas na penitenciária. E pior, sem fazer ideia de como entrara naquela situação. Ninguém soube muito dele depois disso, parece que ele mudou pra Caldas Novas e não quer conversar com ninguém, mas não é certeza. Um amigo chegou a dizer que o interrogatório o deixou num estado “pré-amaríldico” de existência.
Por fim, Arturo. O Black Bloc foi o único dos três que, quando da ocasião do esbarrão, não estava fugindo das bombas. Estava correndo na direção delas. Quando chegou mais perto do epicentro da batalha (o prédio da prefeitura) ele se ajoelhou furtivamente e preparou, ao mover o conteúdo da garrafinha plástica para uma outra de vidro, o suposto coquetel Molotov. Digo suposto por que a garrafinha que lhe coube, vamos recapitular, não continha combustível nem ácidos, e sim a mais pura e genuína droga do amor. Na escuridão e na confusão, seus olhos mascarados não deram pela óbvia diferença de cores entre os líquidos, e então ele acendeu o pavio, fez a mira... e nada. Foi uma desilusão para Arturo jogar o “molotov” na direção dos policiais e vê-lo estilhaçar-se sem explodir, deixando-os não flamejantes, mas apenas úmidos. Mas como, pensou, se preparara tudo com tanto cuidado? Obviamente aquilo era a prova de que ele não prestava enquanto guerrilheiro urbano. Bruno, desanimado, virou de costas e foi embora, sem ver a bizarra cena que criara: os cinco policiais da tropa de choque que ele acertara largando as armas, procurando-se sofregamente e trocando um sem fim de beijos saliventos e carícias extremosas entre si, em meio ao fogo, à fumaça e às lágrimas.

Arturo, Bruno e Caio nunca mais se viram. Com o que eu descubro que isso não é parábola, no fim das contas, por que não tem moral. É, como já dizia o outro, “sem moralismo”.



sábado, 10 de agosto de 2013

PARACAMBANA I


Muito tempo sem escrever. Seguem anotações preliminares sobre o "Paracambana". Muitas leituras. Eventuais imprecisões e incorreções são responsabilidade exclusiva minha. Em breve, mais, inclusive bibliografia completa desse estudo.

OBSERVAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PARACAMBANA 

O termo "Paracambana" refere-se a um grupo de estudos filológicos brasileiro, ou pelo menos sediado no Brasil, liderado pelo britânico Charles Herring Tann. O professor Tann, por sua vez, foi um estudioso de filologia da universidade de Oxford (havendo forte possibilidade inclusive dele ter sido aluno de J.R.R. Tolkien) que durante os anos 1960 abdicou muito cedo de sua cátedra nas ilhas britânicas para vir morar Rio de Janeiro, após ter se casado com a brasileira então estudante de mitologia Magdalena Agnes de Castro. O ano exato da vinda de ambos é desconhecido, bem como a atividade profissional dos dois nos primeiros anos no Brasil, embora seja razoavelmente um consenso que eles tenham se estabelecido em um apartamento da familia de Magdalena na rua Dois de Dezembro.

O que se sabe com certeza é que em 1968, na rua Benjamin Constant n° 74 (Glória),  numa sala de formato hexagonal situada segundo andar do prédio em que ainda hoje funciona a igreja positivista de Augusto Comte, já se reunia em segredo o grupo filológico "Paracambana", coordenado pelo professor Tann. A razão do sigilo do grupo é desconhecida, havendo uma quantidade significativa de pesquisadores que alegam que não passava de um charme. A maior parte das fontes epistolares indica, contudo, que Tann e seus companheiros faziam do estudo filológico apenas uma fachada e na verdade dedicavam-se à prática de rituais de "magia negra e ocultismo" (como em trecho da carta de J. Barrios para H. Hansen,, "comentários sobre o Paracambana", de 1969). Uma análise posteior desmonta a ideia de "fachada" ao situar o ocultismo como uma abordagem heterogênea da própria filologia. O famoso esoterista Paulo da Gama chega a afirmar no seu livro "A Influência de Crowley no Brasil" (Ed. Mythos, 1994) que:
"Tann concluiu, como Moore antes dele e De la Rosa antes de Moore, que a magia tem origem e fim na palavra. São todos partidários da ideia de que toda sentença é mágica, e o estudo da língua é indistinguível do estudo do sobrenatural, ideia que em sua forma vulgar traduz-se no ditado 'as palavras tem poder'. A palavra gera versão, e toda versão  não hegemônica é uma sub-versão, o que não passaria despercebido aos movimentos subversivos brasileiros pós 1968, que viram na chegada de Tann uma bandeira de agrupamento."

Em outro trecho, sobre a clandestinidade do grupo:

"O Paracambana agia (age) clandestinamente também para evitar querelas com grupos ocultistas rivais, como os Irmãos Esclarecidos, que se reuniam apenas uma rua adiante, no número 82 da rua Cândido Mendes."

 Ganha força a relação estabelecida por Gama entre ocultismo e subversão quando se descobre que a história do Paracambana se cruza com a do ainda não tão célebre coronel Sérgio Paranhos Fleury. O mesmo que exatamente naquele ano havia sido incorporado ao DOPS para se futuramente se tornar um dos mais inclementes perseguidores de subversivos durante o regime militar. O então jovem Fleury, apesar de atuar em São Paulo, enquadrou Tann na lei de segurança nacional assim que passou a integrar o DOPS, como atesta documento pertencente ao acervo pessoal do professor Junito Diniz (PUC- Rio). As causas do ato são desconhecidas, ainda mais sendo o professor Tann discretíssimo em suas posições políticas. A pesquisa do meu colega e amigo Bernardo Paes que analisou o fato de Paranhos e Magdalena (esposa de Tann) terem sido vizinhos na adolescência não chegou a resultados conclusivos sobre um eventual romance dos dois, ou platônico por parte de Fleury, desmotivando assim uma tese de motivações pessoais no enquadramento de Tann. 

Embora haja divergências sobre as razões do segredo do Paracambana, os resultados do mesmo são devastadores para a pesquisa. O grupo nada deixou em matéria de atas de reunião ou outras formas de registro doméstico, de modo que não se pode saber exatamente quem ou quantos eram os seus membros. O Paracambana deixou também pouquíssimo material registrando suas pesquisas, e o grupo não consta na bibliografia de nenhuma publicação na área de filologia que tenhamos notícia. Aparece laconicamente, apenas, nos agradecimentos do livro "Modulation Schwingungen musikalischen und politischen", de Rachel Weissberg (1939-1988). Uma única obra com intenção de publicação foi supostamente produzida pelo grupo (havendo inclusive quem diga que o Paracambana existiu somente em função de escrevê-la), o "Circa Ohmnia", porém desta nenhum exemplar de nenhum dos seus alegados quatro tomos jamais foi encontrado. Nesse momento, estou procurando pessoas familiarizadas com o navegador Tor para procurar ainda que trechos desse material na Deep Web (onde o número de referências ao Paracambana é substancialmente maior do que na surface web, que possui apenas os restos de uma página da wikipedia sobre o assunto já excluida).  Este e todo o conteúdo conhecido sobre o Paracambana, incluindo o que foi dito até aqui, foi obtido a partir da correspondência trocada pelo grupo com outros célebres filólogos do mundo, e entre estes mesmos filólogos tratando do grupo. Mais dessa correspondência também será abordado aqui nesse espaço em breve, espero.

 Há ainda um outro valioso registro, com o qual encerro esse texto preliminar. Embora menos confiável, é o mais saboroso. Trata-se do depoimento recolhido pelo Warren's Occult Museum com o professor Olímpio Ornelles, até hoje a única pessoa que alegou abertamente ter pertencido ao Paracambana. Quando foi entrevistado pelo curioso museu inglês, o professor já enfrentava o Alzheimer, além do câncer pulmonar que acabaria por matá-lo, e recusou-se ou foi incapaz de responder a maior parte das perguntas. Contou, não obstante, a sua versão para o suposto fim do grupo, em inglês fluente: 

"After a few years of study, in 1974, the Paracambana would launch simultaneously the four volumes of the first work signed by all of us collectively, "Circa Ohmnia", a review of the etymological origin of the words used throughout history to describe the idea of totality. The suggestive title, incidentally, it was my idea. It turns out that the graph where the book was being printed, which was in São Cristóvão, was burned on the night of April 14, as reported by the press. At the time, 'O Globo' wrote that the fire had been caused by the CCC (Communist Hunt Command), which had mistaken the four volumes of Circa Ohmnia with the national edition of "Capital" by Karl Marx, also in four volumes. However, given the high control exercised by the dictatorship in those days media, you can not trust it too much not. At the time, we did not believed. Because of all this distrust, we ended the collective activities of the group and each proceeded with studies the way it seemed better. Tann took a ship back do England and never wrote to us anymore."

 ("Após alguns anos de estudo, em 1974, o  Paracambana iria  lançar simultaneamente os quatro tomos da primeira obra assinada coletivamente por nós, "Circa Ohmnia", uma revisão da origem etimológica das palavras usadas ao longo de história para descrever a ideia de totalidade. O título sugestivo, aliás, foi ideia minha mesmo. Só que a gráfica em que o livro estava sendo impresso, que ficava em São Cristóvão, foi incendiada na noite de 14 de abril, deu no jornal e tudo. Na época, o Globo deu que o incêndio tinha sido provocado pelo CCC (Comando de Caça aos Comunistas), que havia confundido os quatro tomos de Circa Ohmnia com a edição  nacional de "O Capital", de Karl Marx, também de quatro tomos. Contudo, dado ao controle exercido pelo estado na mídia da época, não dá pra confiar muito nisso não. Na época, ninguém acreditou. Por causa desse clima de desconfiança geral, encerramos as atividades coletivas do grupo e cada um deu prosseguimento aos estudos da forma como pareceu melhor. Tann tomou um navio de volta pra Inglaterra e nunca mais escreveu.")

 O professor Olímpio formou-se em Literatura Inglesa pela UFRJ em 1965, e graduou-se doutor em 1985.  afora repetidamente afirmar que pertencera ao grupo, nunca mais deu detalhes sobre sua participação ou grau de envolvimento. Morreu em 1999, apenas dez meses depois da entrevista aqui citada.

 Por hoje é só! Continuei minha pesquisa tentando descobrir o porque da escolha do nome "Paracambana". Os dados que eu recolhi eu posto em breve!

sexta-feira, 21 de junho de 2013

VINTE DE JUNHO ou PRIMEIRO DE ABRIL ou PRESIDENTE VARGAS ou OITO MOMENTOS


Dedicado a Ilan Vale


MOMENTO UM: Subo a escada do metrô da Uruguaiana, sem entender nada. Onde eu esperava uma passeata de protesto, se desenrola um videotape da Marcha com Deus Pela Liberdade. Milhares e milhares de pessoas enroladinhas em bandeiras do Brasil descem a Avenida Presidente Vargas ("Vamos passear na floresta escondida, meu amor") entoando cânticos contra a "baderna" e a "corrupção". Nenhuma catarse ou sentimento de pertencimento pra mim ali, somente o estômago afundando alguns centímetros diante da massa ordeira e feliz desfilando em frente ao fascinante edifício mezzo alemanha fascista/mezzo gotham city do Ministério da Guerra. Olham feio para a minha camisa, de um movimento de esquerda associado à campanha do Marcelo Freixo. Uma loirinha linda, toda de verde e amarelo, que eu paquero com os olhos desde que eu cheguei, começa a gritar ao homem de coturno que guarda o prédio do ministério: "Ei, soldado! Vem pro nosso lado". Nauseado, me afasto. Como nunca satisfaria a tara da loirinha por homens de uniforme, decido procurar a sorte algures.

MOMENTO DOIS: Encontro Marcelo Betz. Pouco depois, encontramos um amigo dele, que nos conta a história mais estranha: militantes do PA (Partido dos Apartidários) haviam entrado em conflito com integrantes do PP (Partido dos Partidários), exigindo que estes abaixassem suas bandeiras. Parece que chegou a haver briga física. Coincidentemente, na mesma hora sinto emanar um cheiro nauseabundo daquele horroroso canal de cocô humano liquefeito que passa no meio das pistas da Presidente Vargas ("Vamos passear nos Estados Unidos do Brasil").

MOMENTO TRÊS: Chegamos na frente da Prefeitura do Rio de Janeiro no exato instante em que as bombas começam a chover sobre os manifestantes. A maior parte corre na direção contrária em alta velocidade e grande tumulto. Por isso mesmo, me chama a atenção um grupo de quatro ou cinco fortões vestidos de vermelho correndo desarmados em direção à polícia com a clara intenção de confronto. Pensando estar diante da tropa de elite do grupo de esquerda mais true e bad ass da história o Rio, eu me detenho um instante para ouvir o canto que eles entoam:
"Uh! Uh! é jovem Fla! Uh! Uh! É Jovem Fla!"

MOMENTO QUATRO: Ainda próximo da prefeitura, ainda debaixo da chuva de bombas (era dificil fugir, um milhão de pessoas verdes e amarelas são uma muralha e tanto). Súbito, a visão mais bela da noite. Em meio a uma imensa nuvem de gás lacrimogêneo, o bloco do movimento Nada Deve Parecer Natural acalma a multidão em caos tocando a marchinha "Bandeira Branca". Agradecendo ao gás por fornecer uma boa desculpa para as minhas lágrimas, eu me aproximo do grupo pra dizer que eles estão parecendo o quarteto de cordas tocando enquanto o Titanic afunda. Até que novos militantes do PA aparecem com o grito/latido "Au Au Au, isso não é carnaval", interrompendo minha única catarse da noite. Não posso mais, bandeira branca, eu peço paz.

MOMENTO CINCO: A volta pela Avenida Presidente Vargas ("os clarins da banda militar") é rápida e quase sem sustos. Já quase na Candelária, vejo um pequeno grupo de militantes entrar em conflito com um PM em uma transversal. A porrada come razoavelmente longe de mim, mas quando as bombas do PM estouram um dos moleques corre pra perto de onde eu estou. Ele pára no canteiro central da avenida e cata duas pedras portuguesas soltas. Antes que ele corra de volta pro front, eu o detenho: "PORRA, CARA, PERAÍ!". Ele para, vira e me olha sem dizer nada. Descubro que eu também não tenho NADA pra dizer pra ele, nem pras pedras que ele tirou do meio do caminho e pôs na mão. Digo simplesmente um "Não, nada, vai lá..." e deixo ele seguir. Ligo pra minha preocupadíssima mãe avisando que ela e o Sérgio Cabral podem dormir tranquilos: O militante Breno Góes está largando o batente por hoje, e o cidadão Breno Góes vai tomar uma cervejinha e ir pra casa.

MOMENTO SEIS: Quando eu era moleque, Brahma refrescava até pensamento. Fico sentado no meio fio da candelária pensando se o meu (pensamento) é corrompido por eu ser contra passeata contra a corrupção. Razoavelmente refrigerado das ideias eu noto que o grosso da passeata está se encaminhando para Avenida Rio Branco. Fugindo dela eu encontro Ana Clara MacDowell e sua turma, que estão indo com um grupo menor para a Primeiro de Março. Enquanto andamos noto que seu grupo quer continuar os protestos. Antes que eu pudesse me decidir entre voltar ao batente ou me despedir, vemos os escudos do choque descendo a Trinta e Um de Março (perdão, Primeiro de Abril. Aliás, perdão de novo, Primeiro de Março) vindo em nossa direção. Ao nos virarmos para o outro lado, nos vemos cercados por uma outra tropa da mesma distinta agremiação. Células semelhantes descem pelas Ruas  Alfândega e Buenos Aires. Tarde demais, notamos que estamos encurralados nas ruelas que capilarizam-se entre os fundos do CCBB, da Casa França Brasil e do Centro Cultural dos Correios. Pânico e medo generalizados, apertados que estamos como sardinhas na lata. Para se desviar de uma bomba, uma menina do meu lado corre meio sem jeito e esbarra numa vitrine. O vidro se quebra, tornando a menina involuntariamente uma vândala. Vivi minha primeira experiência de regime ditatorial nos bons vinte minutos que passamos dentro daquele recém fundado Estado (de sítio): a República Popular dos Fundos do CCBB. 

Nota mental: Os mineiros escreveram "Em meio a tantos gases lacrimogêneos ficam calmos, calmos, calmos", e eu descubro que isso é um caô sem tamanho. Aquele gás me deixa maluco.


MOMENTO SETE: Homem de Preto, qual é sua missão? Negociamos nossa liberdade, eu Ana e Rodrigo, com uma tropa de policiais (nenhum deles portando identificação) do Batalhão de Operações Especiais, o BOPE. Ele disse que nós poderíamos sair margeando a baía de guanabara (mais cheiro de cocô) passando por debaixo da perimetral até chegar ao Santos Dumont... Desde que deixássemos eles irem na frente, para ver se "não tinha nada de ruim pra lá". Mentalmente, respondi que eles eram exatamente a coisa ruim que a gente temia ter que encontrar lá na frente, então, se eles já estavam ali mesmo, tudo foda-se pra nós. 

MOMENTO OITO: Em casa, no facebook. Amigos fazem comparações que dão medo e calafrios. Dizem que períodos de grande insatisfação popular despolitizada por pautas vazias renderam duas ditaduras a Brasil. Uma pelos milicos, claro, e outra pelo Presidente Vargas ("Debaixo da lama, debaixo da cama").

por: BRENO GÓES

fonte dos versos entre parênteses:
http://www.youtube.com/watch?v=8XjWQ5ETSPk

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

NÓS EM JERUSALÉM




Escrevo pensando em recentes acontecimentos da minha vida pessoal, e em um livro que eu li também recentemente. Sobre os acontecimentos não cabe ainda comentário, mas o livro em questão é Eichmann em Jerusalem, um longo ensaio jornalístico de Hannah Arendt sobre o julgamento do criminoso nazista Adolf Eichmann, arquiteto do holocausto. O momento chave do texto, creio, é aquele em que Arendt nos fala dos juízes e do público do julgamento, que, ávidos e curiosos para ver um “gênio do crime”, ou “uma mente extraordinariamente maligna”, se deparam na verdade com um burocrata medíocre. Segundo o Arendt, tudo o que Eichmann foi capaz de dizer em sua defesa passou por repetir que “seguia ordens”, ou "fazia o mesmo que todos". Incapaz de formular um pensamento por si mesmo, o responsável pela morte de milhões de judeus apenas repetia as palavras de outros e citava a todo momento jargões e frases feitas. Muito embora o personagem clássico do nazista na ficção seja alguém extremamente cruel, frio e sádico,  Arendt compreende que a grande maldade do nazista da realidade é a recusa em pensar por si próprio. Dessas conclusões a autora cria o conceito de “banalidade do mal”, que eu gosto de pensar que também pode ser entendido como “mal da banalidade”.
Vejo da seguinte forma: Pensar que o mal depende de uma mente deturpada, apodrecida, diferente das comuns é uma forma de, uma vez que sempre nos julgamos “normais”, nos distanciarmos da possibilidade de nós mesmos praticarmos o mal. Daí a facilidade com que, ao longo da história, facilmente atribuímos o mal aos mais diferentes dentre nós, marginais por sua raça, sua renda, sua orientação sexual, sua saúde, ou mesmo suas opções estéticas. Não é preciso muito para que se condene alguém que, entre pessoas de terno, use uma roupa não usual. Ou que, entre professores de determinado saber, ensine algo diferente. Como vivemos em tempos mais civilizados que o de Hitler, todos se apressarão em dizer que nada tem contra essa pessoa “diferente”, mas suponhamos um caso fictício, passado num mundo e numa época exatamente iguais aos nossos, e o meu ponto ficará mais claro.
Suponhamos um personagem que seja diferente dos demais, cujo nome seja justamente Diferente. Imaginemos agora que surja um rumor, ou até mesmo uma denúncia, de que Diferente tenha cometido um crime. Nesse momento, repentinamente se descortina algo que antes estava velado: quando acusado, Diferente não terá a mesma presunção de inocência que os outros, pois antes que os dispositivos legais sejam acionados, a opinião pública já o terá execrado.  Mesmo Diferente sendo dotado de plenas faculdades físicas e mentais, não será necessária a sua presença para que ele seja julgado, diagnosticado e nomeado um crápula. E quem fará isso não será uma entidade sem nome ou rosto, antes o farão seus pares, agindo como pequenos Eichmanns. Estes se apressarão em corroborar o discurso comum e colaborar contra Diferente. Não por algum senso de justiça, mas por que é fácil fazê-lo. Muitos dirão que, embora tenham ficado quietos e tenham até mesmo sido amigos de Diferente, no fundo sempre souberam que havia “algo estranho com ele”. Puxarão pela memória até encontrar um fato qualquer que, agora sob nova luz, parecerá prova cabal de que o Diferente é um ser perigoso e maligno. Outros, covardes entre os covardes, mesmo compartilhando da diferença que Diferente possui, serão os primeiros a mudar de lado e incorporar-se ao coro dos comuns. Fatos que tornem mais provável a culpa de Diferente virão à tona, e outros que pareçam inocentá-lo serão diminuídos. O que a todo custo se tentará evitar, claro, será dar voz ao acusado. Num mundo de Eichmanns que repetem frases feitas e falas prontas, não se pode correr o risco de que Diferente possua um discurso diferente.
Eventualmente, embora todos os prognósticos apontem para o contrário, a situação pode resolver-se de forma favorável a Diferente. O mais provável é que Diferente seja penalizado, excluído da sociedade e preferivelmente morto, mas também pode ser que se prove que Diferente não tenha cometido o crime, e sim outra pessoa. Pode ser, ainda, que se prove que o crime em questão não tenha acontecido, não passando tudo de uma mentira inventada por alguém. Nesse caso, o mal para de emanar de Diferente e passa a emanar do mentiroso. Imediatamente a única suspeita possível para a resposta da pergunta “onde está o mal?” torna-se a pessoa que inventou o rumor, ou que fez a falsa denúncia. Há os que vão pensar que essa pessoa sim é o gênio do crime, a mente podre e depravada que o tempo todo se escondera. São burros os que pensam assim, e estes colaboram para o estabelecimento de um ciclo vicioso. Não existe a figura do gênio do mal.
Não me entendam errado. Naturalmente existem coisas como a crueldade e a ambição desmedida, mas elas não são características de mentes doentes. Se há hospício, somos nós os dignos dele, como concluiu o famoso alienista de Machado de Assis. A origem do mal é a mesquinharia cotidiana de cada um, a nossa burrice, nossos preconceitos, a facilidade com que aderimos a um discurso que pareça confortável, por absurdo que seja em essência. Por isso elegemos pessoas que sabemos estarem mentindo, por isso acreditamos em pseudo-cientistas que não apresentam evidências e por isso contorcemos nossa fé em obediência a sacerdotes que sabemos não ter fé alguma. Por isso, principalmente, obedecemos quem não teria o direito de mandar em nós e por isso, diga-se logo, passamos mais tempo do nosso dia obedecendo do que fazendo qualquer outra coisa. Na pequena história inventada por mim nesse texto, mas tão real quanto cotidiana, aquele que inventou um falso rumor sobre Diferente não é mais mal que aquele que somente disse “eu sempre soube que havia algo estranho”. São ambos indiferentes, e iguais.

Eichmann.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

A Ideia, O Taxista e O Meu Rio.


 
Por Breno Góes, baseado em fatos reais


Como as pessoas procuram taxis, as ideias procuram pessoas de quem possam ser passageiras. Calma, eu me explico. É que, recentemente, assisti ao filme documentário The Mindscape of Alan Moore, uma entrevista com o grande quadrinista e mago inglês, e em dado momento ele comentou sobre como a ideia da máquina a vapor, jamais concebida por ninguém, de repente pipocou quase ao mesmo tempo nas cabeças de quatro pessoas em pontos diferentes do mundo, em pleno século XVIII. Outro inglês de quem eu sou fã, o romancista Terry Pratchett, elaborou em um de seus livros, já não lembro qual, um modelo segundo o qual as ideias seriam pequenas partículas que vagariam pelo espaço a procura de cabeças em que elas pudessem entrar e se fazer reais. O que esses dois ingleses dizem, sobre ideias como entidades com vida própria, Ideias com I maiúsculo, de repente fez todo o sentido pra mim, numa noite primaveril, quando eu pensava em Freixo, Paes e na cidade do Rio de Janeiro. Calma, eu me explico.

Fazia vinte dias  que acabara a campanha eleitoral na cidade do Rio, e eu me perguntava por que diabos Eduardo Paes conseguia ser tão popular entre nós cariocas, mesmo com sua flagrante simpatia pelo autoritarismo, até que precisei tomar um taxi. Precisei tomar um taxi, diga-se, para chegar na casa do meu amigo Arthur Aguillar, que é membro ativo do Meu Rio. Meu Rio, aliás, é um negócio que, se você não conhece, precisa urgentemente googlear. Quando entrei no taxi, assim que mencionei o endereço pra onde eu queria ir, o motorista me disse, sem qualquer motivo aparente, justamente como se uma Ideia tivesse acabado de entrar pela sua orelha:

-Ainda bem que o prefeito se reelegeu. Ele é muito bom.

Ora, não bastasse a minha militância ferrenha por Freixo, eu tenho por hábito encorajar taxistas a falarem mais, já que quase sempre algo se aproveita de uma conversa com esses profissionais, e nesse dia não foi diferente. Já influenciado por Moore e Pratchett, eu queria entender melhor aquela Ideia que, depois de vagar vinda de não sei onde, entrara na cabeça do homem no mesmo momento em que eu ia entrando no seu taxi. Imediatamente contrapus a afirmativa dele brandindo algum dos inúmeros problemas da gestão Paes. Não lembro se eu falei das remoções, da especulação imobiliária, das licitações dos ônibus e vans ou das associações flagrantes de Paes com milicianos. Pode ter sido qualquer uma dessas coisas. O que eu me lembro é que ele me respondeu com um outro (suposto) ponto positivo da gestão do prefeito, que eu contrapus com mais um negativo, e assim por diante. Até que em dado momento, quando era a minha vez de falar, lembrei a ele do problema com os usuários de crack. E aí a Ideia que se entrincheirara dentro do motorista de taxi finalmente disse a que veio:

-Ah, os cracudos! Eu também acho que ele está fazendo errado com os cracudos! Eu tenho uma Ideia sobre o que fazer com esses cracudos. Não tem que matar não. Sabe o que que tem que fazer?

-O que?

-Você já viajou de carro pelo estado do Rio,  ou por qualquer estrada do Brasil?

-Já.

-Então! Já viu quanto espaço livre que tem? Esse país tem espaço livre de sobra! Olha só, tem que pegar um descampado desses, e construir um negócio que seja impossível da pessoa lá dentro fugir. Im-po-ssi-vel. Daí bota esses cracudos pra trabalhar aquela terra lá. Trabalhar, entende? Que nem eu e você. Mas tem que trabalhar direito, senão leva ferro.

Nada se compara ao prazer de ver uma Ideia nua, arreganhada mesmo, em toda sua beleza e feiura. Respondi:

-Ah, mas já tentaram isso antes, na Europa.

-Ah é, onde?

-Na Alemanha.

-E lá deu certo?

Não sei se a Ideia dentro da cabeça do taxista estava só se fazendo de cínica. Decidi responder com sinceridade. Pensei em Bush, na Candelária, no Carandiru, em Khadaffi, Pe. Lauro Palú, Cabral, Paes e pensei também, por outro lado, no Meu Rio, do meu amigo arthur Aguillar, aquele negócio que você já devia ter procurado no google lá no início do texto. “Deu certo?”, a pergunta ecoava.

-Depende. De certa forma.




LINKS:

MEU RIO: http://meurio.org.br/


THE MINDSCAPE OF ALAN MOORE: http://www.youtube.com/watch?v=KPzLgQv6EjY
TERRY PRATCHETT: http://www.terrypratchettbooks.com/

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

TRILOGIA TRICOLOR- PARTE I

PRIMEIRO CAPÍTULO: VERDE (por que não está maduro)

24 de dezembro de 1999.

Rogério e Carlos eram seus nomes, ainda que, na época em que essa história começa, fossem mais conhecidos como Roger e Carlinhos.  Ambos contavam por aí uns 20 anos.Tinham se visto muito no ano anterior, ambos com estrela vermelha no peito, panfletando em Ipanema por um candidato que nem chegara ao segundo turno. Agora, ambos tinham comparecido à mesma e insólita ceia na véspera de natal na casa de uma amiga em comum, aliás chamada Ana. A ceia era insólita por comemorar, além do natal em si, o falecimento do ex-presidente João Baptista Figueiredo, ocorrido naquele dia. Coisas da época, não se deve julgar nem generalizar.

Roger chegou mais cedo e ficou conversando com Ana, a anfitriã, tentando impressioná-la com alguns autores franceses que estava lendo na época, até que uma amiga dela, que se chamava Teresa Assis, se intrometeu e perguntou:

-Não tive paciência de ler esse aí até o final, então você podia me contar quem ganha?

-Quem ganha?

-É,  quem ganha. O Ser ou o Nada?

Antes que a latinha de cerveja esquentasse na sua mão, Roger estava perdidamente apaixonado.

Pouco depois, um tumulto na porta. Um grupo de bêbados tentava entrar na festa, falando alto. A maior parte das pessoas de dentro da festa, igualmente bêbada e falando tão alto quanto, não se opôs, mas um ou dois mais sectários entre os festejantes queriam barrar a entrada dos novos participantes por causa de suas roupas:

-Roupa de futebol não dá, tudo tem limite!

Indiferente a isso entrou na festa Carlinhos, que a despeito do nome no diminutivo era alto, e parecia mais alto ainda por trajar uma surrada camisa cujas listras verdes e vermelhas caíam na vertical, entremeadas por listras brancas mais finas. Roger, quando o viu, mesmo sem nunca ter falado com ele levantou-se e o abraçou.

-Porra!
-Fluzão!

Teresa Assis, que era flamenguista, só foi entender esse abraço quando viu, no dia seguinte, que somente dois dias antes o Fluminense começara a se reerguer da década mais negra de sua história, sagrando-se campeão  da terceira divisão do campeonato brasileiro. Quando Carlinhos descobriu que Roger chamava-se Roger aí é que as intenções românticas de Teresa pareciam fadadas ao fracasso, naquela noite. Roger, o herói da conquista tricolor, em nada além do nome se parecia com o magrelo barbudo que agora discutia avidamente os lances do jogo com seu novo amigo, mas era tarde demais. A ligação estava feita, os laços dos amigos unidos pelo tricolor. Lembrando-se do seu pai, que obrigava a casa inteira a ficar em silêncio quando o Flamengo entrava em campo, ela só pôde se resignar com o típicamente feminino "coisas do futebol".

Conforme a cerveja foi sendo bebida, não demorou para que a conversa dos dois amigos misturou a política com o futebol e, lá pelas quatro da manhã, Carlinhos e fez um dos seus típicos discursos:

-Pra Jesus nascer o Figueiredo teve que morrer. E é assim mesmo, o Romário teve que sair do Flamengo pra renascer o meu tricolor!  O único Figueiredo que presta é o de Magalhães, por que lá tem o único bar que passou todos... Todos os jogos do Fluminense desse ano!  Viva o Roger! O Roger tá aqui do meu lado! Fala aí, Roger... O Roger é foda, por que ele fez os gols da vitória, distribuiu santinho do Lula, leu sartre, mudou o brasil e continua de pau duro! Porra!!! Palmas pro Roger!

O mesmo sectário que tinha tentado impedir a entrada de Carlinhos na festa esboçou um contra-discurso dizendo que futebol era o ópio do povo, e dessa vez foi Roger que se levantou contra ele. Roger falou com a voz baixa que lhe era habitual, e como era habitual também todos ouviram o que ele disse, que mais tarde ficou conhecido como a primeira de suas profecias:

-É impossivel separar o futebol do Brasil. Os dramas do campo são os dramas do brasileiro, por isso na política a gente usa bandeiras. O PT... - e aqui ele parou e olhou todos os presentes nos olhos- O PT ainda está verde. Com o pensamento que vocês tem, tinha mesmo que ter perdido a eleição. Tem que jogar como um time se quiser chegar no poder. O PT tem que ser um time de guerreiros.

Teresa Assis imediatamente se pendurou no seu pescoço, dando-lhe um beijo molhado, e o resto da noite se perdeu entre cigarros, cerveja, sexo, verde, vermelho e branco.

CONTINUA...

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Uma tradução para a todas desafiar




Tiro a poeira desse blog de raríssimas postagens para colocar aqui o fruto de uma prazerosa noite de tédio. Muitos amigos meus sabem que eu sou um grande fã do trabalho do Tolkien, e com essa coisa do lançamento do Hobbit eu me empolguei pra reler alguns pedaços da obra dele.

Quem quer que já tenha desafiado os calhamaços Tolkenianos sabe que, no meio de sua riquíssima prosa, o autor coloca muitos poemas, fragmentos de versos e letras de canções. Relendo o Senhor dos Anéis eu fiquei espantado de como as traduções dessas partes versificadas são todas muito bem feitas, respeitando métrica e rima, etc, uma coisa que deve dar um trabalho do cão e que merece todas as palmas do mundo para Almiro Pisetta, o tradutor. Mas então olhei para o poema mais conhecido do livro, justamente a sua epígrafe, e vi que era em versos brancos e livres. Transcrevo aqui:

Três anéis para os Reis-Elfos, sob este céu,
Sete para os Senhores-Anões em seus rochosos corredores,
Nove para os Homens Mortais, fadados ao eterno sono,
Um para o Senhor do Escuro em seu escuro trono
Na Terra de Mordor onde as Sobras se deitam.
Um Anel para a todos governar, Um anel para encontrá-los,
Um Anel para a todos trazer e na escuridão aprisioná-los
Na Terra de Mordor onde as Sombras se deitam.

Fiquei curioso pra saber se no original era assim, e quando fui ver descobri que não só o poema é rimado como possui algumas aliterações bem legais, que podem ser notadas nesse vídeo em que o próprio Tolkien recita os versos, lendo a passagem do conselho de Elrond em que eles são lidos pelo Gandalf. Eis o texto:


"Three rings for the Elven-kings under the sky,
Seven for the Dwarf-lords in their halls of stone,
Nine for Mortal Men doomed to die,
One for the Dark Lord on his dark throne
In the Land of Mordor where the Shadows lie.
One Ring to rule them all, One Ring to find them,
One Ring to bring them all and in the darkness bind them
In the Land of Mordor where the Shadows lie."


E aqui o link do vídeo.http://www.youtube.com/watch?v=4s59oDfDoI8&feature=related


Pois bem, fiquei bem impressionado com a sonoridade dos versos e decidi fazer a minha própria tradução, tentando respeitar o máximo possível as rimas, o ritmo e as aliterações do original. Só mudei a métrica dos primeiros versos de 11 para 10 sílabas, que na minha opinião são mais sonoras no português.  Ficou assim:

Três anéis aos Elfos Reis sob o céu,
Sete aos Reis Anões dos salões de pedra.
Nove a homens fadados a um fim cruel,
E um ao sombrio Rei d'onde a sombra medra,
Nas terras de Mordor, sob um negro véu
Um Anel que os governa, um Anel que os encontra
Um anel que faz eterna sua prisão de sombra
Nas terras de Mordor, sob um negro véu

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES:


O primeiro verso recupera de um jeito elegante a repetição de sons do original. "Três AnÉIS aos Elfos rEIS..." na minha opinião é um substituto satisfatório para "Three rINGS for the Elven kINGS..."

Algumas coisas nunca poderão ter a força que tinham no inglês, especialmente o fim do terceiro verso, essa porrada silábica que é "Doomed to Die", mas dá pra chegar perto, com a aliteração "fadados a um fim...". 

O quarto verso precisa de alguma boa vontade, pois em benefício da rima eu tirei a menção que o verso original fazia ao trono do Senhor do Escuro.

Nos dois penúltimos versos eu me permiti uma rima toante entre encontra/sombra para que no meio dos versos pudesse soar o par "governa/ eterna".


Por fim, pesquisando mais a fundo nessa infinita enciclopédia nerd que é a internet, descobri que o próprio Tolkien desistiu da sonoridade do poema ao traduzi-lo para seus idiomas ficticios. A maior parte dos tradutores para outras línguas, como francês, alemão e japonês também não teve essa preocupação. De fato, além dessa minha, a única outra tradução que eu encontrei que buscou uma aproximação sonora com a versão em inglês foi a feita para o - pasmen- Esperanto! Se alguém souber ler esse negócio, aí vai:

Tri ringoj por la elfo-regoj, sub la chielo;
Sep por la dvarvo-moshtoj, en haloj de shton'.
Nau por hom' mortema, kondamnita de mortpelo;
Unu por Malluma Moshto, sur Malluma Tron',
En la lando Mordor, tenebra pro malhelo.
Unu Ring' por regi chiujn, unu por venigi,
Unu por sklavigi kaj mallume enchenigi,
En la lando Mordor, tenebra pro malhelo